sábado, 28 de novembro de 2009

Saiu no Vermelho

Caetano... esse mesmo, acusa a Veja de desonesta!
Quer ler mais? Vai no Vermelho!

Edu Física X Edu Artística

Educação física versus Educação artística

Este é o dilema colocado na não discussão do currículo das escolas da rede pública estadual de educação.
Um falso dilema dentro de uma visão egoística de sociedade competitiva e carnívora.
Professores de educação física versus professores de arte educação.
Qual das duas perderá carga horária para a língua portuguesa ou a matemática?
Estamos frente a simplificação cartesiana da educação e o nosso corporativismo somado a necessidade de sobreviver com os poucos recursos de ser professor. Entramos na arena do combate corpo a corpo, com a melhor das intenções: não morrer. Já temos outro um inimigo a combater: o professor da outra disciplina.
E assim, vamos construindo um mapa geopolítico de inimigos e alianças ocasionais (amigos da ocasião). Logo, aquela onda holística que se supõe seja própria do Universo, a sintetizar unidades em totalidades organizadas e segundo a qual o homem é um todo indivisível, que não pode ser explicado pelos seus distintos componentes (físico, psicológico ou psíquico), considerados separadamente, virou cinzas. Queimada na fogueira da desinformação, (- Não me envolvo em política!) da falta de tempo, (- Tenho sessenta horas, não dá!) da indiferença, (- Outros farão essa discussão por mim!)...
Mas, se consigo admitir que o ser humano (nossos alunos e alunas, também) precisa mais que às habilidades da escrita, da leitura e dos números, tenho que recriar os conhecimentos num currículo crítico, democrático e transformador (Cadernos Pedagógicos 8,1997, Totalidades de Conhecimento, Smed/POA).
A educação física pela qual estamos lutando é a educação física da bola e da quadra? Não é isso que acontece? Bem, se não é isso que acontece... Vivas à Educação Física!
E os professores de educação artística são quem mesmo? Sobras do quadro de professores? Já deixamos de desenhar e pintar com os alunos e alunas? Agora estamos recortando?
Os professores de língua portuguesa e matemática querem quantidade ou qualidade?
Nós queremos o quê?
Alunas e alunos comportados!
É simples?
Mauro

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Saiu na Carta Maior - 26/11/2009

Sócios da SP Alimentação denunciados por formação de quadrilha

Dirigentes e funcionários da empresa são acusados pelo Ministério Público Federal de envolvimento em uma fraude na terceirização da merenda escolar em Canoas (RS). As acusações incluem fraude em licitação, corrupção ativa e formação de quadrilha. Ao todo, 13 pessoas foram denunciadas pelo MP Federal, incluindo o ex-prefeito de Canoas, Marcos Ronchetti (PSDB) e o ex-secretário geral do município, Chico Fraga. Segundo o MPF, esquema foi responsável por um prejuízo que pode chegar a mais de R$ 4,5 milhões.
Marco Aurélio Weissheimer

Os sócios-gerentes da empresa SP Alimentação, Eloízo Gomes Afonso Durães, Valmir Rodrigues dos Santos e Vilson do Nascimento foram denunciados pela Procuradoria da República em Canoas (RS) por envolvimento em uma fraude na terceirização da merenda escolar no município. Eles estão sendo acusados de fraude em licitação, corrupção ativa e formação de quadrilha. Ao todo, 13 pessoas foram denunciadas pelo MP Federal, incluindo o ex-prefeito de Canoas, Marcos Ronchetti (PSDB), o ex-secretário geral do município, Chico Fraga, e o ex-secretário de Educação de Canoas, Marcos Antônio Giacomazzi Zandonai. Os demais denunciados são ligados às empresas SP Alimentação e Gourmaitre Cozinha Ind. e Refeições.

Os fatos foram elucidados a partir de investigação iniciada no Ministério Público Federal, que deu origem também a uma ação de improbidade administrativa. Esse caso marcou o início da chamada Operação Solidária, que, segundo o MPF “propiciou ampla comprovação de atos de fraude, corrupção e formação de quadrilha envolvendo os representantes da empresa SP Alimentação e Serviços e os ex-gestores de Canoas”.

Ainda segundo o MPF,os elementos apurados (especialmente interceptações telefônicas) foram utilizados na denúncia criminal, permitindo a inclusão de outros réus envolvidos no esquema criminoso, entre eles a advogada da empresa SP Alimentação, Polyana Horta, e os funcionários Genivaldo Marques e Estélvio Schunck. O esquema foi responsável por um prejuízo (envolvendo recursos públicos da União e do Município) que pode chegar a mais de R$ 4,5 milhões.

As investigações do MP Federal constataram “desvio de verbas públicas (federais e municipais), por meio de um esquema fraudulento orquestrado por representantes da cúpula administrativa de Canoas e da empresa SP Alimentação, de São Paulo”. Esse esquema teria por objetivo “fraudar o processo licitatório, concedendo à SP Alimentação o direito de servir merendas nas escolas públicas municipais. A empresa recebe pelo serviço valores claramente superfaturados e sem qualquer fiscalização efetiva”.

Segundo informações do inquérito civil público, o prefeito de Canoas e os secretários de Governo e de Educação, além de realizarem uma licitação dirigida, ainda frustraram a fiscalização sobre fornecimento da merenda, que deveria ser feita de forma rigorosa pelo Conselho de Alimentação Escolar de Canoas. Também foi constatada a ausência de qualquer medida concreta da Prefeitura quanto à correção das irregularidades apontadas há mais de um ano pelos órgãos de auditoria externa. “Dessa forma, além do desvio de recursos públicos, avaliado em mais de 5,6 milhões de reais, os réus conseguiram manter em funcionamento por mais de dois anos um contrato executado irregularmente (má qualidade das refeições, cozinheiras sem vínculo de emprego com a empresa, entre muitas outras ilegalidades), gerando também prejuízos aos beneficiários da merenda escolar (crianças e adolescentes)”, diz o MPF.

Segue a relação de denunciados e os crimes imputados a cada um pelo MP Federal:

MARCOS ANTÔNIO RONCHETTI (ex-prefeito de Canoas): artigo 1º, inciso XIV, do Decreto-Lei 201/67 – crime de responsabilidade; artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 317, caput e §1º do Código Penal – corrupção passiva; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

FRANCISCO JOSÉ DE OLIVEIRA FRAGA (‘CHICO FRAGA’) (ex-secretário de governo de Canoas): artigo 1º, inciso XIV, do Decreto-Lei 201/67 – crime de responsabilidade; artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 317, caput e §1º do Código Penal – corrupção passiva; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

MARCOS ANTÔNIO GIACOMAZZI ZANDONAI (ex-secretário de educação de Canoas):: artigo 1º, inciso XIV, do Decreto-Lei 201/67 – crime de responsabilidade; artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 317, caput e §1º do Código Penal – corrupção passiva; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

ELOÍZO GOMES AFONSO DURÃES (sócio-gerente da empresa SP Alimentação): artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

VALMIR RODRIGUES DOS SANTOS (sócio-gerente da empresa SP Alimentação): artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

VILSON DO NASCIMENTO (sócio-gerente da empresa SP Alimentação): artigo 96, inciso IV, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

CARLOS ROBERTO MEDINA (representante da empresa SP Alimentação): artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação; artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa;

GENIVALDO MARQUES DOS SANTOS (funcionário da empresa SP Alimentação): artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

CIBELE CRISTINA DOS SANTOS (funcionária da empresa SP Alimentação): artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa.

POLYANA HORTA PEREIRA (advogada da empresa SP Alimentação): artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

ESTÉLVIO SCHUNCK (funcionário da empresa SP Alimentação): artigo 333, caput e parágrafo único do Código Penal – corrupção ativa; artigo 288 do Código Penal – formação de quadrilha.

SILVIO MARQUES (sócio-gerente da empresa Gourmaitre Cozinha Ind. e Refeições): artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação.

EDIVALDO LEITE DOS SANTOS (sócio-gerente da empresa Gourmaitre Cozinha Ind. e Refeições): artigo 96, inciso V, da Lei 8.666/93 – fraude à licitação.

domingo, 22 de novembro de 2009

Humaitá - Porto Alegre

A propósito ou de propósito:

Até quando o bairro Humaitá de Porto Alegre terá mais buracos do que asfalto?

CARTA MAIOR - UMBERTO ECO



A lição de Umberto Eco contra o fascismo eterno


O caso Cesare Battisti é, além de um teste privilegiado para se saber se a democracia, no Brasil, já conseguiu efetivamente fincar alguma relação real com a nossa história, uma ocasião que pode nos ensinar, de modo igualmente privilegiado, algumas lições sobre o significado do fascismo, bem como de sua sempre alegada ausência no Brasil e nos dias que correm, mundo afora, como na Itália de Berslusconi. Que a homenagem que o atual ministro da Defesa italiano prestou aos soldados fascistas de Mussolini no ano passado sirva para desfazer enganos quanto à natureza do compromisso democrático do atual Executivo italiano. Um texto memorável de Umberto Eco ilumina este debate.


Redação - Carta Maior

Cantoras Brasileiras Inesquecíveis

Cantoras Brasileiras Inesquecíveis

Quando comecei a entender o sentido da música em minha vida apaixonei-me por Elis. Intensa, febril e absolutamente completa na arte de emocionar. Hoje, nestes dias de imagens intensas e vazias, descubro que continuo apaixonado por Regina. O seu canto é um acalanto e a sua coragem equilibra minha vida equilibrista. Talvez, quem sabe, me falte ser o bêbado ou usar o chapéu coco, mas tenho saudades de ouvir caminhando lado a lado, entre nós, a sua voz de irreverência e bordel. Elis... me deixas louco! E quando com saudades, vejo mais um dia entardecer, desaparecem as palavras. Sempre vale a pena ter amanhecido!
Mauro

Dalva de Oliveira

video

Clara Nunes

video

Elizeth Cardoso

video

sábado, 21 de novembro de 2009

O Bêbado e A equilibrista - Elis Regina

video

Onde você guarda o seu racismo?

video

Funil do tempo - Roda Viva

video

Simples Assim

Repórter da Globo que teve filho com FHC (há 18 anos) era qualificada para ser correspondente?

por Luiz Carlos Azenha

Há duas possibilidades.
1. Miriam Dutra pediu para sair do Brasil. E era qualificada para ser correspondente internacional.
2. Miriam Dutra não era qualificada, pediu para sair do Brasil e foi atendida.

Se a primeira resposta é a verdadeira, cabe perguntar:
1a. Quantas reportagens ela fez para o Bom Dia Brasil, o jornal Hoje, o Jornal Nacional e o Jornal da Globo, no cargo de correspondente?
2a. Qual é a comparação que se faz entre o trabalho dela como correspondente e o dos outros correspondentes da emissora?

Se ela fez tantas reportagens quanto qualquer outro correspondente não há porque acreditar que houve favorecimento.
Caso contrário, houve favorecimento. Se houve favorecimento, por que?

Se a jornalista não era qualificada e ganhou o cargo, cabe perguntar: houve interferência externa à TV Globo? Quem decidiu? FHC interferiu no processo, direta ou indiretamente? Quem decidiu na Globo consultou Roberto Marinho? Ao consultar o jornalista Roberto Marinho, contou a ele tratar-se da repórter que teve um filho com FHC? O jornalista Roberto Marinho, nesse caso, esqueceu que era jornalista? O que a TV Globo recebeu em troca?

Simples assim.

Podres do Futebol

Podres do futebol refletem podres da sociedade

por Luiz Carlos Azenha

O jogador de futebol da França ajeita a bola com a mão, é flagrado pela câmera e é celebrado pela torcida como "esperto". O que deveria ser condenado como uma atitude antidesportiva, para dizer o mínimo, torna-se exemplo de "sabedoria". Vale burlar as regras, enganar o juiz, desrespeitar o adversário e a torcida adversária. Vale tudo, em nome da "vitória".

No jogo do São Paulo, os jogadores do mesmo time trocam empurrões e depois saem dizendo que não houve nada. No jogo do Palmeiras, os jogadores do mesmo time se agridem e são expulsos. Cadê o espírito coletivo, o espírito de equipe, o amor à camisa, o respeito ao clube, às tradições do clube e aos torcedores?

O futebol profissional está podre.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Neri: classe média é maioria, desigualdade diminui e o Brasil já decolou

Neri: classe média é maioria, desigualdade diminui e o Brasil já decolou
17/novembro/2009 14:47

Marcelo Neri: o brasileiro é mais formiga que cigarra

Entrevistei o professor Marcelo Neri, economista e chefe do Centro de Pesquisas Sociais da FGV-RJ, para o Entrevista Record, que vai ao ar hoje à noite, pela Record News.

Leia abaixo os principais pontos da entrevista:

. Em 1992, a classe média era um terço do total da renda brasileira.
. Hoje, é mais de 50%.
. Entre 2003 e 2008, 32 milhões de brasileiros, ou seja, metade da população da Franca, ingressou no conjunto das classes A, B e C. O principal fator dessa ascensão não foram os programas assistenciais, mas a renda do trabalho.
. Entre 2003 e 2009 foram criados 8 milhões de empregos com carteira assinada.
. Pode-se dizer também que essa é uma década da redução da desigualdade.
. Entre 2000 e 2008 a renda dos 10% mais pobres da população cresceu 72%. Ou seja, o crescimento da renda dos pobres no Brasil é um crescimento de tamanho chinês.
. A renda dos 10% mais ricos cresceu 11%.
. Todo mundo cresceu.
. É uma bolha?
. Não, frisou Neri. Esse processo já dura cinco anos: de 2003 a 2008 a renda do brasileiro cresce 7% ao ano. Ou seja, não é bolha porque a renda sobe por causa do trabalho e porque os brasileiros passaram a estudar mais.
. Trabalhar e estudar são coisas que ficam, não vão embora como uma bolha.
. A queda na desigualdade é inédita.
. No anos 60 o Brasil viveu o período mais desigual da sua história. O Brasil tinha a terceira pior distribuição de renda do mundo.
. Hoje é o décimo. Quer dizer, é um país ainda muito desigual, mas se a desigualdade continuar a cair, será um país de desigualdade tolerável.
. O importante é que o Brasil cresce em baixo. O crescimento econômico do Nordeste é igual ao da China.
. É o que mostra uma pesquisa feita por ele sob o título “Produtores e Consumidores da Nova Classe Média”. O nordestino botou o filho na escola, conseguiu emprego com carteira assinada e a renda dos produtores cresce mais que a renda dos consumidores.
.Ou seja, o brasileiro é mais formiga do que cigarra.
. As mulheres são o maior sucesso dessa história.
. Elas fizeram uma revolução há 30 anos. Foram para a escola e conseguiram salários que começaram a se aproximar do salário dos homens.
. A história da ascensão das mulheres nordestinas é a mais significativa. Um exemplo disso é que as mulheres são as principais clientes do Crediamigo, o programa de microcrédito do Banco do Nordeste, que detém dois terços do mercado nacional de microcrédito.
. O Crediamigo promove sobretudo no Nordeste uma revolução nos pequenos negócios. Os empréstimos começam com R$ 400 e o avalista é um grupo de três a cinco pessoas em que um se responsabiliza pela dívida do outro.
. Entre o primeiro empréstimo e dezembro de 2008, aumentou em 42% o lucro dos que tomam dinheiro no Crediamigo. Sessenta por cento deles deixaram de ser pobres.
. O Marcelo Neri tem um estudo para a Fundação Getúlio Vargas só sobre o Crediamigo. Ele contou que a Prefeitura do Rio vai copiar o Crediamigo, além da Prefeitura de São Gonçalo, na região do Grande Rio.
Concluiu o professor Marcelo Neri: o Brasil muda rapidamente para melhor e muita gente não percebe.
Paulo Henrique Amorim