segunda-feira, 13 de abril de 2009

Blog do Emir

Quem está doente: Adriano ou os outros?

O comportamento de Adriano deveria ser considerado humano, normal, equilibrado. Mas numa sociedade em que "não se rasga dinheiro", em que a fama e a grana são os objetivos máximos a ser alcançados, quem está doente: Adriano ou essa sociedade?

Blog do Emir - 12/04/2009

A informação como mercadoria: quem são os donos da grande mídia brasileira?

Saiu no Pensador da Aldeia

por Paulo Jonas de Lima Piva

Em dezembro de 2005, quando o neoliberalismo grassava arrogante em nossa sociedade, a revista Caros Amigos lançou uma edição especial que entrou para a história das publicações brasileiras: "A Direita Brasileira". Nela encontramos um diagnóstico minucioso de como são e funcionam as elites e os setores mais reacionários, conservadores e repugnantes do capitalismo em território nacional.

No artigo da página 18, assinado pelo perspicaz, admirável, porém sectário José Arbex Jr, intitulado "O grande partido do país", um dos poucos jornalistas brasileiros que não fazem da notícia mercadoria ou espetáculo dispara baseado em Antonio Gramsci: "A imprensa é o mais sério e consequente partido da burguesia".

Diz mais: "não há, no país, [o] que limite a capacidade de ação dos donos da mídia".

Algumas páginas atrás, João Pedro Stédile, em entrevista sobre as dificuldades do avanço da Reforma Agrária no país, fornece-nos uma informação muito interessante:

"A família Saad, da TV Bandeirantes, tem fazenda no Pontal. Os Mesquita [donos do Estadão] são ligados à oligarquia rural cafeeira paulista. A Veja vendeu 15 por cento de suas ações para bancos multinacionais. A Folha se diz independente, mas o velho Frias é proprietário de um rebanho de leite, em São José dos Campos, tem quinhentas, seiscentas vacas"

domingo, 12 de abril de 2009

MY SWEET LORD

Hoje, é domingo de Páscoa.
A renovação de um modo de viver as nossas promessas de amor à vida e a nós mesmos.
O mesmo filme todos os anos.
Na noite de sábado da aleluia, caminhando pelas ruas do bairro, ouvi da minha boca, Já vivi cinqüenta e três páscoas, são muitas ressurreições de mim mesmo.
Estou cansando.
O mundo não sou eu quem faz, mas posso tentar. Não posso?
Por onde?
Olhava para os lados e lá estavam devotas senhoras cristãs, expurgam suas calçadas com a mesma água que falta para matar a sede e lavar panelas vazias.
Mais a frente seguia a puxar seu carrinho de lixos recicláveis um Homem chamado cavalo.
Ali, na pracinha dos brinquedos, encontrei jovens desesperançados atirados pelos cantos a fumar e cheirar os abismos.
Que tal voltar às reflexões dominicais na liturgia missal?
Talvez pudesse retornar à igreja de pensamento cristão e compromisso social com a libertação dos excluídos.
Talvez, quem sabe, um dia encontre o templo cristão da justiça social e do amor ao diálogo.
Talvez descubra uma igreja que denuncie a resignação, usando a voz de muitos como Hélder Câmara; mais pobre, poética e participativa no brado do padre e poeta Ernesto Cardenal.
Talvez pudesse retornar se a voz do My Sweet Lord estivesse viva na pastoral.
São muitos talvezes...

video

sábado, 11 de abril de 2009

Neruda

Cuerpo de mujer, blancas colinas, muslos blancos,
te pareces al mundo en tu actitud de entrega.
Mi cuerpo de labriego salvaje te socava
y hace saltar el hijo del fondo de la tierra.

Fui solo como un túnel. De mí huían los pájaros,
y en mí la noche entraba su invasión poderosa.
Para sobrevivirme te forjé como un arma,
como una flecha en mi arco, como una piedra en mi honda.

Pero cae la hora de la venganza, y te amo.
Cuerpo de piel, de musgo, de leche ávida y firme.
Ah los vasos del pecho! Ah los ojos de ausencia!
Ah las rosas del pubis! Ah tu voz lenta y triste!

Cuerpo de mujer mía, persistiré en tu gracia.
Mi sed, mi ansia sin límite, mi camino indeciso!
Obscuros cauces donde la sed eterna sigue,
y la fatiga sigue, y el dolor infinito.

Maiakovski

O tema é a morte. Ou mais longe, a ressureição! Afirma Maiakovski:

Onde eu morrer
eu vou morrer cantando.
Que eu caia aqui ou lá, não importa,
eu sei -
eu sou digno de ser colocado
próximo aos que tombaram sob a bandeira vermelha.

Retirado do livro Maiakovski - Vida e Obra, Peixoto, Fernando, 2a. ed., p. 148, 1978, Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Orçamento Participativo no Guajuviras tem público recorde

O bairro Guajuviras completa 22 anos no próximo dia 17 de abril. O prefeito de Canoas/RS, Jairo Jorge, na abertura da reunião do Orçamento Participativo de quarta-feira, 9, fez referência à data e ressaltou a participação expressiva dos moradores na decisão dos rumos da cidade. Os aplausos vieram de pronto pelo grande público que estava no Centro de Atendimento Integrado a Criança (Caic do Guajuviras), região Nordeste.
540 presentes, 487 credenciados, 24 delegados e 20 suplentes. Estes são os números da participação popular na região Nordeste. Os dados apontam para a maior participação na cidade até esta reunião do OP. Os moradores desta região, composta pelos bairros São José, Igara, Olaria, Guajuviras, Estância Velha e Marechal Rondom escolheram as suas prioridades numa plenária marcada pelo protagonismo participativo da região, como demonstram os dados.
Ruth Cristiane de Souza Teixeira, estudante de magistério e moradora do Loteamento Sete de Outubro, na Estância Velha foi até o Caic disposta a pedir uma atenção maior a educação na cidade. Ela elegeu este tema como uma de suas prioridades, valorizando o espaço de participação aberto no OP Canoas. “Os moradores são os que sabem o que a cidade precisa. Acho importante a participação de jovens na política, e acredito que a juventude precisa de mais qualidade na educação”, diz Ruth.
Lenise Calvett, moradora do bairro Nova Estância veio a esta edição disposta a apontar as principais necessidades da sua região, acreditando que o processo de participação não acaba aqui. “É mais uma opção para poder participar. Depois quero cobrar o que estamos apontando”, pondera Lenise.
As prioridades escolhidas nesta plenária do Orçamento Participativo foram em 1º lugar Saneamento para Todos, seguido consequentemente por Canoas Mais Segura, Guarda Comunitária, Canoas Iluminada, Canoas Saúde Humanizada, Centro de Especialidades Médicas, Programa de Prevenção de Drogas e Tratamento de Dependentes Químicos, Projeto Escola Comunidade, Qualificação e Humanização no Hospital Nossa Senhora das Graças, Canoas Jovem.
A próxima edição do Orçamento Participativo acontece em 15 de abril, na região Noroeste, que abrange os bairros São Luis, Mathias Velho, Harmonia e Centro. O evento será na Escola Estadual São Franscisco de Assis, que fica na rua Campinas 2020, no Mathias Velho.
Josias Bervanger

Aloysio assaltou trem? A AP de Serra explodiu aeroporto?

Mais uma preciosidade que fui buscar no PHA:

Sugestão de um amigo navegante:
O zelo investigativo da Folha, que tentou associar a Ministra Dilma Rousseff ao sequestro que não houve de Delfim Netto, deveria ser aplicado, com a mesma intensidade, nos seguintes episódios:
1) Foi a AP do Governador José Serra a responsável pela explosão no Aeroporto de Recife ? José Serra sabia dos planos ? Concordou com eles ?
2) Aloysio Nunes Ferreira, que foi ministro de Fernando Henrique, é secretario de Serra e seu provável candidato a governador, assaltou bancos ? Com que objetivo ? Ainda assaltaria ?
3) Para Serra e Aloysio: mudaram seus princípios, métodos, ou nenhum dos dois ?
Ou a Folha tem o rabo preso aos dois ?

Governadora e vice viajam e deixam RS sem governador em exercício

Amigos e Amigas, mais um exemplo clássico de como a mídia escolhe as palavras de acordo com as suas convicções políticas e ideológicas. Imagino outra manchete em outro governo: "Olívio e Rossetto abandonam o Estado". Alguma dúvida?

Yeda foi para os EUA e Feijó, para o Uruguai

A governadora Yeda Crusius viajou nesta quinta-feira para os Estados Unidos passar o feriadão com um filho que vive na Califórnia, e o vice Paulo Feijó foi à Punta del Este, no Uruguai, deixando o Estado sem um governador em exercício.
Os dois comunicaram suas viagens durante a semana. Como é um prazo menor que 15 dias, não há necessidade de a governadora repassar o cargo. Em caso de emergência, é Yeda que tomará decisões pelo Estado, mesmo à distância. O retorno da governadora está previsto para domingo, dia 12.

Bloqueados mais de 60 imóveis e veículos de Chico Fraga

O texto abaixo foi retirado do jornal O Timoneiro, publicado no dia 03/04/2009, sobre os desdobramentos das investigações da Polícia Federal na Operação Solidária, na administração Ronchetti(PSDB), em Canoas/RS.

Chico Fraga, o ex-secretário de Governo da administração Ronchetti, terminada em dezembro de 2008, é alvo de nova investigação sobre lavagem de dinheiro da Polícia Federal (PF).

A nova operação nasceu da Operação Solidária, que apontou irregularidades em contratos da merenda escolar em municípios gaúchos e indícios de fraude de R$ 300 milhões em obras públicas. O nome da operação se refere ao slogan de Ronchetti: Administração Solidária.

A PF descobriu, nesta nova operação, mais de 60 imóveis e veículos em nome de Fraga ou de parentes ou laranjas ligados a ele, somando mais de R$ 8 milhões, que foram bloqueados a pedido dos federais pela 1ª Vara Federal Criminal de Porto Alegre, especializada em crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro, que considerou incompatível com os ganhos do ex-secretário.

A nova operação foi requerida pelo procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza e Fraga foi intimado para depor pela PF. O Detran e os cartórios de registro de imóveis foram informados do bloqueio dos bens, que não poderão ser negociados para que possam ressarcir o erário público em uma possível condenação de Fraga. Além desta nova operação, Fraga é peça importante em diversas outras fraudes investigadas pela PF, como as Operações Solidária e Rodin.

Patrimônio

O patrimônio descoberto pela PF já é de conhecimento dos canoenses, pelas denúncias de OT ao longo dos anos da administração manchada pela corrupção do ex-prefeito Ronchetti: dezenas de imóveis em Canoas, Porto Alegre e Litoral, principalmente em Tramandaí, onde a reportagem de OT contou como era a vida luxuosa de Fraga e família em duas casas que, juntas, formam uma mansão que valeria cerca de R$ 2 milhões, a beira do rio Camarão, no Marina Park Residence, onde ele ainda possui mais seis terrenos, avalia¬dos em cerca de R$ 200 mil cada, além de lancha e jet ski.

Neste paraíso privado, o jardim tem lindas e caras palmeiras se juntam às folhagens criteriosamente distribuídas. Nos fundos, uma grande piscina e um quiosque com churrasqueira a cerca de cinco metros do rio, tudo também cercado por palmeiras e bananeiras, que dão um ar caribenho.

Do outro lado do rio, a pobreza de centenas de famílias que vivem da pesca e de onde eram vistas as festas de virada de ano regadas a muito champanhe importados.

Saindo do condomínio, mas junto a ele, na RS 030, um largo espaço de terra foi comprado por Fraga. São seis sítios com 80 metros de fundo onde o agora empresário pretendia um dia construir um posto de gasolina. A área fica entre a RS 030, o residencial e o rio Camarão. Em alguns sítios, algumas casas já foram imediatamente reformadas. Em outros, o mato derrubado. Num deles, cerca de R$ 25 mil foram gastos somente para deixá-lo plano.

Ele teria ainda, conforme OT apurou, apartamentos quase à beira mar e estabelecimentos comerciais em Tramandaí, e casas em Imbé, praia vizinha.

A vida na cobertura

Em Porto Alegre, uma cobertura na rua Quintino Bocaiúva serviu de moradia da família Fraga durante o ano de 2007, até que as primeiras denúncias em nível estadual, no caso Detran, eclodiram. Segundo a PF, Fraga teria recebido esta cobertura de uma empresa como pagamento por benefícios obtidos em contratos públicos.

OT conversou com uma frequentadora da residência nesta época, que não quer ser identi¬ficada. Ela contou que o período foi marcado por extravagâncias da família. Os membros tinham camionetes e os genros de Fraga ganhavam automóveis novos do sogro. “Uma verdadeira frota”, conta.

A casa tinha cerca de 10 aparelhos de ar condicionado do tipo ‘split’ e outro número parecido de tevelisores de plasma, com telas de cinema. Um grande time de empregados servia a família. Foi neste período, também, que o casal Fraga se divertiu em cruzeiros marítimos, inclusive o do rei Roberto Carlos.

O "militante" cubano, adoentado, não é terrorista

Essa contribuição... para nossas reflexões... retiro de Vi o Mundo, por Luiz Carlos Azenha.

Este é um caso clássico para os estudantes de Jornalismo. Uma demonstração clara de como a mídia escolhe as palavras de acordo com suas convicções políticas e ideológicas.

Luis Posada Carriles foi agente da CIA. Permanece impune, nos Estados Unidos, apesar de ter confessado publicamente envolvimento em atentados terroristas. Os ataques dos quais ele participou derrubaram um avião da Cubana de Aviação -- em 6 de outubro de 1976, matando 76 pessoas que estavam a bordo -- e causaram a morte de um turista italiano em Havana em 1997.

Para a agência Associated Press, no entanto, Posada é "militante". Acompanhem trecho da notícia:

Cuban militant Posada indicted on new charges


By ALICIA A. CALDWELL

El Paso, Texas (AP) -- Um militante cubano anti-Castro foi acusado quarta-feira em um indiciamento federal de mentir sobre seu envolvimento em uma série de ataques que tinham como alvo pontos turísticos em Cuba.

Luis Posada Carriles, um ex-agente da CIA e soldado do Exército dos Estados Unidos, foi indiciado em 11 acusações, incluindo perjúrio e obstrução de um procedimento federal. O militante de 81 anos de idade tinha sido indiciado previamente em seis acusações, incluindo fraude na imigração e mentir para autoridades federais para se naturalizar cidadão americano.

O indiciamento é a primeira vez que Posada foi acusado nos Estados Unidos de envolvimento nos ataques. Autoridades cubanas faz tempo o acusam de ter orquestrado os ataques assim como a derrubada de um jato cubano em 1976.

Felipe Milan, o advogado de Posada em El Paso, nega as acusações.

"Ele é inocente... e aguarda a chance de ser julgado", Milan disse à Associated Press.

Tentativas de falar com a seção cubana que Havana tem em Washington, no lugar de uma embaixada, foram mal sucedidas na noite de quarta-feira.

O governo cubano não comentou o indicamento, que aconteceu quando os escritórios já haviam fechado. O noticiário estatal em Cuba não noticiou o indiciamento.

Posada foi indiciado originalmente em janeiro de 2007. Na época, promotores alegaram que ele mentiu para investigadores sobre o uso de apelidos e sobre como havia entrado nos Estados Unidos na primavera de 2005. Posada diz que entrou pela fronteira do México, perto de Brownsville, Texas, mas promotores dizem que ele chegou em Miami em um barco vindo do México.

O novo indiciamento diz que Posada, que está na lista de procurados na Venezuela e em Cuba pelo ataque ao avião, mentiu sobre seu envolvimento em "recrutar outros indivíduos para provocar ataques em Cuba".

Promotores alegam que ele também mentiu sobre um pedido que fez a um homem chamado Raul Cruz Leon para levar explosivos a Cuba, usados nos ataques a hotéis em 1997 que eles dizem tinha como objetivo prejudicar o turismo. Cruz foi condenado à morte pelos ataques, que matatam um turista italiano.

Posada previamente admitiu envolvimento nos ataques em entrevistas publicadas, dizendo que as bombas tinham o objetivo apenas de "quebrar vidraças e causar pequenos danos" e que a morte do turista Fabio di Celmo foi "falta de sorte". Mais tarde ele voltou atrás.

Posada, nascido em Cuba e naturalizado cidadão venezuelano, negou conhecer Cruz ou ter envolvimento com os ataques durante uma audiência em El Paso em 2005.

Ele foi preso por violações de imigração em Miami em 2005. Ficou em uma cadeia de El Paso até ser indiciado por fraude.

Um juiz de imigração de El Paso disse que ele deveria ser deportado em 2005, mas que o militante adoentado não poderia ser mandado para Cuba ou Venezuela porque temia que ele fosse torturado.

Posada ficou livre depois de pagar fiança e vive com sua família na Flórida desde 2007. Ainda não há data para o julgamento.

“O Corregedor Amaro é um delegado escalado para produzir provas para facilitar o Daniel Dantas.”

Reproduzo entrevista de Protógenes Queiroz com Pierre Lucena, editor do blog Acerto de Contas, feita após o depoimento em que Protógenes desmoralizou a CPI do deputado serrista Marcelo Lunus Itagiba:

Conversei agora há pouco com o Delegado Protógenes Queiroz, especialmente sobre o seu depoimento na CPI, e o que pensa do seu futuro.
Conversamos sobre o cenário que está estabelecido sobre a Satiagraha e também os próximos passos. Ao final, disse a ele que iria publicar, e ele falou que não teria problema, me autorizando.
Muita coisa saiu na imprensa do depoimento de ontem. Colocarei apenas os principais trechos, com o que não saiu na imprensa.
Acerto de Contas - Oi Protógenes, tudo bem? O que achou do depoimento ontem?

Tudo bem Pierre. Acho que foi bom, e deve ter sido, porque hoje não saiu muita coisa a respeito.

Acerto de Contas - Você estava preocupado em avançar o sinal em relação à Satiagraha?

Pois é, muitas perguntas surgiram, e algumas eu optei por não responder, porque poderia colocar em perigo dados sigilosos da Operação Satiagraha.
Inclusive no final eu chamei os deputados, e pedi para participarem e acompanharem o desenrolar da Operação Satiagraha, inclusive nos EUA. Muita coisa precisa vir ainda à tona, e acredito ser importante a participação dos deputados. inclusive disse: “Me convoquem que eu vou junto”.

Acerto de Contas - Inclusive em relação à Dilma e ao filho do Presidente?

Lógico, mas neste caso era melhor falar logo que não há nenhum resquício de investigação sobre eles, para que não ficassem utilizando indevidamente os nomes de quem não era objeto da investigação. Em nenhum momento eles foram investigados.

Acerto de Contas - E como está sua situação na Polícia Federal?

Eu espero que volte a ser boa. Gosto do meu trabalho de investigador, e acredito que a atuação da Polícia Federal é de suma importância para o combate à corrupção. Inclusive eu estou esperando minha liberação para contribuir com uma CPI na Assembléia Legislativa de São Paulo, mas ainda não me liberaram. Não sei se esta é a sua avaliação também.

Acerto de Contas - Você está sofrendo uma investigação da Corregedoria da PF, que está sendo conduzida pelo Delegado Amaro. Qual o papel deste Delegado nessa história toda?

O Corregedor Amaro é um delegado escalado para produzir provas para facilitar o Daniel Dantas. Ele faz parte parte de uma orquestra organizada composta do Presidente da CPI, Marcelo Itagiba e outros da cúpula da Polícia Federal, não identificados ainda. Todos tem como objetivo favorecer o banqueiro-condenado Daniel Dantas.

Acerto de Contas - Você acredita que pode acontecer o que?

Olha Pierre, se dependesse de Daniel Dantas e os que o defendem, eu seria preso, mas não conseguem porque não sou bandido. Como disse ontem, essa é a primeira vez que acontece uma investigação para averiguar uma outra investigação.
Estou sofrendo uma perseguição implacável, mas acredito que no fim tudo isso irá cair, pois o bandido não sou eu. Estão tentando inverter os papéis.

Acerto de Contas - E como está vendo esta reação no Congresso que está surgindo a seu favor?

Fico feliz em saber que vários parlamentares estão agora me apoiando. Já temos uma frente parlamentar que está se posicionando contra a perseguição que estou sofrendo.
O PDT e o PSOL em sua totalidade estão me apoiando, parlamentares do PMDB, como o nobre Senador Pedro Simon e o deputado Paulo Lima. Além de parlamentares do PT, como Eduardo Suplicy e Antonio Carlos Biscaia, e do PSB, como Janete Capiberibe.

Acerto de Contas - Inclusive o PDT anunciou que você pode sair candidato a deputado pelo partido. É verdade?

Soube disso pela imprensa, mas neste momento eu não tenho compromisso partidário algum. Meu desejo é continuar atuando no combate à corrupção, dentro da Polícia Federal. Sou delegado de carreira, e acredito que cumpro muito bem o meu dever. Muita gente está me incentivando a sair candidato, você mesmo é um deles, mas isso só acontecerá na hipótese de não ter mais chances de combater a corrupção dentro da Polícia Federal. Aí teria que procurar outra forma de atuação pública. Mas por enquanto, acredito na recuperação da minha posição dentro da Polícia Federal.
Autor: Pierre Lucena - 09/04/09 às 16:12

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O Povão e a crisiiiiiii

Cheguei a pouco do supermercadinho do bairro em que moro, na grande Porto Alegre, e percebi que o Povão está num tremendo esforço de superação desta crisiii, que as famílias donas dos meios de comunicação tentam e tentam nos enfiar no brasil deles. O brasil de privilégios deles.
Hoje, sexta-feira, a santa, percebi, mais uma vez, que o nosso Brasil é diferente do brasil deles. Quando me deparei com todas as caixas do mercadinho funcionando a todo vapor e as filas não diminuirem; famílias saindo com suas compras; famílias chegando para comprarem, e as filas imensas, percebi, por certo, esse supermercadinho está a pleno em todos os seus postos de trabalho, e nós, os consumidores estamos a pleno em nossas compras de alimentos. Entendi a crisiii: O Povão está comendo! A fome está diminuindo! Mas os jornalões estão inconformados com a demora que isto vem acontecendo. Esse governo deve ser mais célere e fazer, nestes oitosss anos, o que jamais foi feito em QUINHENTOS!
Nunca vi o meu povo comprando tanta comida. E não venha um desavisado arrotar que estão fazendo estoque, amedrontados com a crisiii dos jornais e revistas semanais. Nada do que vai nos carrinhos lembra desespero, mas cuidado em comprar com qualidade e variedade. Esse é o País que eu quero, pelo qual venho lutando com minhas ideias e o meu trabalho.
As soluções ainda estão longe, mas de qualquer forma já estamos emprestando dinheiro para o FMI. Então, que tal está? O nosso País de um Presidente operário, sem diploma escolar, está a fazer o que sociólogos e economistas cheios de teses jamais ousaram sonhar. Muito menos, pensaram em fazer.
Fico a analisar os discursos do prefeito de Porto Alegre, e também, da governadora do RGS. Meu Deus, somente choros e lamentos. Só pensam o contrário do caminho que está traçado para o País. A Capital dos gaúchos nunca esteve tão feia e desumana. O Estado gaúcho nunca esteve tão abandonado pelo seu governo, basta ler as poucas notícias que temos sobre a nossa saúde e os surtos que a toda hora nos assolam. Hoje, vivemos o risco da febre amarela.
Façamos um esforço imaginativo, e como exercício de baixa complexidade, vamos dizer que esse governo corrupto no RGS é do PT. Isso, não foi ela, mas o Tarso que venceu as eleições, o que será mesmo que os donos dos jornais, rádios e televisões estariam noticiando sobre a febre amarela no Estado? E as denúncias de corrupção no Detran? Onde estão? Para onde foram? O gato comeu! Cadê o gato? Ninguém mais viu! Será que se arrependeu? Fugiu!
Rezo para que o PT ganhe as eleições para o governo do Estado do RGS, assim, as famílias donas da comunicação voltarão a noticiar as dificuldades e os sofrimentos dos gaúchos. Tudo visto através de uma grande lente de aumento. Os repórteres farão um jornalismo investigativo do mais alto nível, haja visto, o grande trabalho que fizeram em minha cidade - Canoas/RS - quanto as denúncias de corrupção que por seis anos nos assolaram. Ah, desculpe, não poderiam fazer nada, o patrocínio para o concurso Miss RGS e programas de esportes vinham dos cofres públicos de Canoas.
Como denunciar quem me paga? Por certo, não fizeram um jormalismo que brigou pelo povo de Canoas.
Querem falar de crisiii... Vamos discutir essa: O conflito de interesse entre o patrocinador e a informação!
Quando o jornalismo quer o mesmo status social e econômico, daqueles que entrevista em ilhas Caras, vai descobrir, muito tarde, que precisou vender a alma, o seu leitor e o seu povo. E perdeu a credibilidade!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Desinformação e o MST

03/04/2009
(http://www.mst.org.br/mst/pagina.php?cd=6537)
Por Silvio Sant’Ana
Da Pastoral da Criança e da Fundação Grupo Esquel Brasil
No domingo 29/03/09, a Folha de S. Paulo estampou a seguinte manchete: “MST multiplica entidades para não perder repasses”. O texto que segue afirma: desde que Lula assumiu, 43 ONGs que têm alguma ligação com o movimento sem terra já receberam R$ 152 milhões. Em seu site, a ONG “Contas Abertas”, estampa também a manchete: “Governo repassa 151,8 milhões a “entidades ligadas ao MST”, … “muitas acusadas de cometer” … “graves irregularidades”.
O levantamento por eles procedido dá conta de 43 entidades “ligadas ao MST”. O texto explica que entre 2001 e 2009 foram celebrados quase 1.000 convênios (com todos os tipos de entidades). Como entidades “conhecidas por suas ligações com o MST” estão citadas a ANCA que recebeu 22,3 milhões entre 2002 e 2009, a CONCRAB com cerca de 14 milhões, o ITERRA com quase 10 milhões etc.. Mas na lista aparece também entidade como a “Cáritas Brasileira” que pelo que se sabe é organismo da CNBB. Estas 43 entidades receberam entre 2003 e 2009, os 151,8 milhões. Até aí verdades … mas, “incompletas”.
As manchetes e textos, por não produzirem uma informação completa, induzem qualquer leitor a pensar que estas entidades são criminosas ou, no mínimo, muito suspeitas de graves crimes; e obviamente, o governo Lula é o cúmplice. Esqueceram de informar, por exemplo, para qual finalidade estes recursos foram repassados; esqueceram de dizer que estes recursos foram ou devem ter sido usados (até prova em contrário) para realizar ações concretas nos assentamentos de reforma agrária; por óbvio: se este dinheiro tivesse sido desviado, a liderança das ONGs e os lideres do MST teriam sido “crucificados” pelos próprios assentados e não se tem noticia disto.
Esqueceram de informar que, dos inúmeros processos instaurados (desde o Governo FHC) pela CGU, pelo TCU, ou pelo MP contra algumas destas entidades “acusadas de cometer graves irregularidades” (inclusive da CONCRAB e o ITERRA), 99% dos mesmos já foram encerrados (ou estão sendo encerrados) por não ter sido constatada a existência de qualquer tipo de desvio ou de malversação do dinheiro público.
E é bom lembrar que para o TCU um desvio é, por exemplo, usar um recurso para comprar “material de consumo” quando no convenio se programou comprar “material permanente”. Já houve condenação de Prefeito por ter construído 15 Km de esgoto quando o convenio estabelecia a meta de 10 Km. Isto sem contar com o “espírito de protógenes” que “baixa” em muitos dos auditores do TCU e da CGU que vêem “crimes gravíssimos” baseados em suas suspeitas e ilações de todo tipo que, após exame independente (em geral do judiciário) se mostram absolutamente insubsistentes.
Esqueceram de dizer que na lista de casos que eles estudaram e “demonstraram” a existência de ligações entre algumas entidades e algumas lideranças do MST incluem convênios desde 2001, e que com aquelas entidades a soma dos valores conveniados atinge 74 milhões (e não 151,8). E óbvio, esqueceram também de lembrar ao leitor o fato que não é pecado nem crime ser líder do MST ou de uma entidade ou ser líder do MST e dirigente de uma entidade ao mesmo tempo.
É público e notório que existem, no mínimo, 230.000 assentados (período FHC e Lula); no mesmo período, 24 milhões de hectares desapropriados. Por outro lado, o MST reconhece que está organizado em 24 estados e segundo ele, existem cerca de 130.000 acampados e 370.000 assentados (parte dos quais tiveram origem nas ações do MST e com os quais, provavelmente, o movimento e suas lideranças mantêm articulação). Esqueceram de informar que isto não é nem infração nem crime.
Esqueceram de anotar (em nome da “transparência” e das “contas abertas”), que 152 milhões divididos por “mil convênios” resultam em média, pouco mais de R$150.000 por convenio; que este valor foi repassado durante sete anos, o que significa pouco mais de 21 milhões/ano, para atender centenas de assentamentos de reforma agrária distribuídos em 27 estados do País.
Se “contas abertas” tivesse observado também os acordos do INCRA com governos estaduais (e as EMATER, entidades públicas dos estados), veriam que o custo anual por família assistida (para atividades semelhantes as desenvolvidas pelas ONGs “ligadas ao MST”) é de cerca de 120-150 reais (média). Se o governo fosse “conveniar” (pagar a EMATER), teria gasto então cerca de 370.000 x 130 = 48 milhões por ano (só para atender os assentamentos originados nas lutas do MST). Ainda que limitássemos nossas estimativas aos assentamentos do período FHC-Lula (230 mil famílias), o valor de ATER alcançaria 29,9 milhões/ano.
Além disto, não mencionam que muitos dos convênios celebrados (com estados ou ONGs) incluem também transferência de recursos para investimentos em agroindústrias, instalação de ilhas digitais, a construção de infraestruturas individuais ou coletivas (incluindo escolas), máquinas e equipamentos de uso comum nos assentamentos, o que pode elevar este valor médio a mais de R$ 1.000,00/família. Fica claro que não há muito espaço para corrupção (a não ser que os custos das EMATER estaduais estejam também superestimados para fins de corrupção).
Finalmente, a terminologia utilizada tanto pela Folha quanto pela ONG desinforma; é imprópria e hostil. Levantam suspeitas de modo insidioso: “apresentam fatos” (só “metade das verdades”) e deixam a impressão de que existe uma quase “conspiração” ou a “formação de quadrilha” para assaltar os cofres públicos e financiar atividades ilícitas.
Para comprovar as “ligações entre o MST e as entidades” mencionam nomes de pessoas “citadas” como dirigentes do MST e ligadas às entidades” (ou vice versa). Numa lista de seis páginas (com todos os convênios celebrados), tem perolas do tipo “citado pelo relatório da CPMI pelo Dep. Lupião, como dirigente da CONCRAB”, como se isto fosse algo “perigoso”, criminoso (ou quase).
Ora se a pessoa é dirigente de uma organização, é facilmente comprovável por atas e registros. Mais ainda: se a CONCRAB têm convênios assinados com o Governo, o nome dos seus dirigentes deve constar nos processos e nos acordos. Ao colocar que a vinculação foi “citada pelo Dep. Lupião” (relator de uma CPI!), deixa transparecer, levanta a suspeita, que a informação estava “escondida”, muito provavelmente, e, no contexto das acusações, com “segundas intenções”. Sem contar que entre nomes “citados como dirigentes” reconheci um que é especialista famoso em estudos da Bíblia.
Ora não é porque a ONG “Contas Abertas” tem seu site na UOL, recebe apoio financeiro da UOL e trabalha seguidamente com jornalistas da Folha, que ela pode ser acusada ou caracterizada como sendo “vinculada” ao grupo Folha (ou acusada de manter, com este grupo, atividade “suspeita” ou “imprópria”). Usando a lógica dos responsáveis pela matéria, esta “vinculação” estaria “evidente” (comprovada inclusive pela ligação com a rede internet[1]) e permitiria a qualquer um perguntar a quem serve “contas abertas?”. Mas eu reconheceria também que não é crime “manter vinculações com o grupo Folha”.
Muitas entidades foram constituídas e são ligadas aos movimentos sociais aos assentamentos que incluem assentados de origem do MST, mas também de uma dezena de outros movimentos e sindicatos/federações de sindicatos, além dos “assentados” de projetos de colonização, regularização fundiária etc. E estas entidades existem porque há uma luta já antiga pela reforma agrária (que não é exclusiva do MST) e também porque os governos dos últimos 10-15 anos (pré-Lula) decidiram que este tipo de trabalho (assistência aos agricultores pobres) deveria ser descontinuado (ou privatizado).
Nunca havia lido uma peça de desinformação tão completa.
A Folha e a ONG “Contas Abertas” se prestaram a um trabalho de desqualificação e criminalização de entidades. Faz coro com o “denuncismo” conservador. Pode ter sido imperícia. Podem ter ganhado pontos com a oposição ao governo atual e junto aos grupos conservadores que querem impedir avanços sociais. Perde a cidadania que passa desacreditar em tudo, inclusive de si mesma. Perderam com aqueles que acreditam ainda em jornalismo sério. Mas – o pior – é que, como o tempo vai desmenti-los, todos terão perdido. Pena.
[1] É irônico, pois para comprovar a “vinculação” do MST com uma entidade, os autores da matéria citam prestação de serviços por abrigar site, ou menção de apoio no site do MST.